Por que as adaptações mais recentes do GitS foram medíocres

Quando o original Fantasma na Concha filme caiu, tornou-se um porta-estandarte para a qualidade de animação e o gênero cyberpunk. O sucesso do filme desencadeou uma franquia que continua a produzir novos materiais quase 30 anos depois. Infelizmente, manter certos aspectos centrais do primeiro filme e série de televisão prejudicou a série a longo prazo e impediu que ela alcançasse maiores alturas.

Utilização inteligente de gráficos aprimorados por computador combinados com um belo mundo cyberpunk cimentado Fantasma na Conchalugar histórico. Tal como acontece com a maioria das peças de mídia de sucesso, Fantasma na ConchaO sucesso de começou a gerar sequências. A próxima manifestação de Fantasma na Concha, Complexo autônomo, continuou a mostrar os pontos fortes da série enquanto iniciava tendências que eventualmente levaram à mediocridade da franquia.

LINK RELACIONADO: Melhor anime de ficção científica com protagonistas femininas

As tramas cyberpunk ricas e mastigáveis ​​e o espirituoso trabalho em equipe da Seção 9 brilham como os principais pontos altos de Fantasma na Concha. Complexo autônomoO enredo “Laughing Man” de “Laughing Man” é uma narrativa brilhante de ficção científica na era moderna da internet. No entanto, os episódios com nomes de titulares que romperam com a história central não tinham a inventividade e o peso de um thriller filosófico orientado tecnologicamente.

Dar espaço para os personagens do programa respirarem adicionou charme às margens da Seção 9, mas isso não teve peso suficiente para melhorar a experiência geral. Os episódios pareciam preenchimento, mesmo que estivessem adequadamente incorporados a essa manifestação de Fantasma na Conchade cânone. Esta tendência só continua na segunda temporada. Os verdadeiros episódios de Stand Alone seguem o trio principal do Major, Batou e Togusa. Esses episódios ajudaram a esclarecer as distinções entre essa manifestação dos personagens e as do primeiro filme.

LINK RELACIONADO: O melhor anime como Ghost in the Shell – e onde assisti-los

A animação em Ghost in the Shell: Complexo autônomo é top-notch para um show de 52 episódios. Existem momentos definidos em que a mistura de estilos de animação cria algumas sequências animadas desajeitadas, mas o estilo geral e a garra do show são perfeitos para o mundo cyberpunk do pós-guerra que está sendo construído. Limitar a dependência do programa em gráficos de computador hiper chamativos ajuda a conectar o espectador com o mundo futurista.

Um aspecto vital da série, a comunicação através de cérebros cibernéticos, pode ser desanimador, pois há várias sequências de conversação em que ninguém está movendo a boca. A alienação dos espectadores por meio de conversas sem boca foi mitigada no primeiro filme por meio do ritmo, mas começou a mostrar seu desgaste potencial em Complexo autônomo. O estilo de animação de inspiração clássica de Complexo autônomo ajuda a equilibrar essa questão adicionando um certo peso físico ao mundo.


LINK RELACIONADO: Trigun: Onde assistir e ler a série original

As conversas mentais continuam a crescer como um problema nos programas e filmes a seguir, já que os estúdios dependem mais da animação gerada por computador. Esses mundos começam a ganhar uma sensação de vale estranho particular, pois esses personagens hiper-renderizados não movem a boca durante a maioria de suas interações. Essa camada de desconexão com os personagens só é reforçada pela propensão da franquia para reinventar um pouco o elenco a cada novo programa ou filme.

O desgaste da franquia é tão pesado que na época do Surgir e lançamento de filmes live-action, essas manifestações do mundo e as semelhanças confusas do elenco principal podem alienar os fãs. Acoplar essa alienação com uma continuidade complicada cria uma receita para uma série desanimadora. Além dissosurge tentativa de reinventar o mundo cai por terra devido à sua forte dependência de animação que se assemelha a cenas glorificadas.


LINK RELACIONADO: Ghost in the Shell: SAC_2045 Trailer mostra artes marciais e ação mecânica da segunda temporada

À medida que o elenco brincalhão e carismático se torna cada vez mais diluído a cada reinvenção da série, os núcleos começam a desmoronar. A tendência da série de financiar animação de alta qualidade que utiliza tecnologia moderna aumenta essa separação do coração da série, já que a forte dependência de gráficos de computador dá à série uma sensação adicional de vale misterioso. Do jeito que está, a franquia terá que girar ou simplesmente aceitar a mediocridade.

Reiniciar o filme original ou Complexo autônomo só iria manchar essas jóias fantásticas. O primeiro filme já foi lindamente remasterizado e deve ser deixado para existir em sua glória. No entanto, se os criadores se afastarem da Seção 9 e de outros personagens recorrentes para criar uma nova série no mundo de Fantasma na Conchapode ser a reinvenção que dá nova vida à franquia.


Optimized by Optimole